O álcool existe há pelo menos 8 mil anos, desde a invenção da fermentação para a produção de vinho na região do Irã. Com sua dispersão através do comércio e da invenção de novas formas de produção e apresentação, ganhou destaque na cultura de vários povos.

Positivos

  • relaxamento
  • elevação no humor
  • aumento na sociabilidade, redução da inibição e da ansiedade social
  • redução de dores

Neutros

  • fala arrastada
  • rubor facial
  • tontura e sonolência
  • nistagmus (olhos trêmulos) e dificuldade de focar a visão
  • estímulo sexual alterado (às vezes aumentado)
  • tolerância depois de repetido ao longo dos dias
  • apreciação estética alterada (o que é bonito passa a ser feio e vice versa)
  • pessoas aparentam ser mais atrativas
  • distorções visuais leves em doses altas

Negativos

  • diminuição na coordenação
  • náusea, vômitos (vomitar enquanto incosciente pode ser fatal)
  • aumento na impulsividade
  • volatilidade emocional (raiva, violência, tristeza)
  • redução na habilidade de alcançar/manter ereção em certos homens
  • dificuldade em atingir o orgasmo
  • efeito diurético: frequente vontade de urinar
  • tontura e confusão
  • blackouts e perda de memória em doses altas
  • coma e morte em doses extremas
  • dano no fígado (cirrose) e cérebro com uso intenso
  • redução da inibição e confusão podem levar a interações sexuais indesejadas
  • ressaca durante 12-36 horas após o uso
  • dano ao feto em mulheres grávidas em altas doses ou uso frequente

Duração

Oral
Duração total 1.5 – 4h
Início 15 – 30min
Primeiras sensações 15 – 20min
Pico 30 – 90min
Diminuição 45 – 60min
Efeitos posteriores 1 – 2h
Ressaca 1 – 36h

Aproximadamente 33g de álcool etílico permitem um indivíduo de 70kg alcançar um relaxamento e maior sociabilização. Esta dose pode vir de 2 latas de cerveja, 2 taças de vinho ou 2 doses de vodka.

O consumo de álcool pode provocar danos diretos e indiretos à saúde. Os danos diretos são relacionados ao efeito da droga no organismo, podendo ser provocados por intoxicação aguda ou pelo uso prolongado. Os danos indiretos estão relacionados ao comportamento violento em algumas pessoas sob efeito de álcool, quedas ou acidentes provocados ao operar veículos ou máquinas.

A intoxicação aguda pode provocar cefaleia, náuseas, aumento da acidez no estômago e vômitos. Por ser uma droga depressora do sistema central, em doses maiores pode levar ao coma alcóolico e morte por parada cardio-respiratória. Outra causa de morte por ácool é a asfixia pelo próprio vomito, por isso recomenda-se que tenha alguém por perto quando alguém desmaia por causa da bebida. Neste caso, deve-se evitar que a pessoa durma com a barriga virada pra cima.

O consumo agudo exagerado pode provocar blackouts, quando a pessoa não lembra de nada que aconteceu durante o efeito da bebida.

O consumo prolongado de álcool aumenta o risco de câncer de boca, laringe, esôfago, intestino, fígado e de mama. Pode provocar problemas no fígado (esteatose, hepatite e cirrose), doenças cardiovasculares (arritmias, miocardiopatias, hipertensão), gastrite hemorrágica, pancreatite e carência de vitamina B1. Esta última é responsável pela síndrome de Wernicke-Korsakoff, uma doença neurológica caracterizada por amnésia, perda da coordenação e confusão mental. O uso durante a gestação pode provocar sérios danos ao feto.

A famosa ressaca no outro dia é causada por um conjunto de fatores, entre eles desidratação, falta de eletrólitos e glicose e toxidez por outros metabólitos, como o acetaldeído. Os principais sintomas são cefaleia, náuseas, vômitos, fotofobia e tremores. Alguns autores consideram a ressaca uma manifestação da síndrome da abstinência, visto que seus sintomas são aliviados ao ingerir nova dose de álcool.

Alcoolismo

A sindrome da dependência caracteriza-se por um desejo forte de consumo da droga, dificuldades de controle no uso, uso apesar de consequências danosas, prioridade da droga em relação as outras atividades, tolerância aumentada e estado de abstinência. O alcoolismo instala-se ao longo dos anos, a tolerância desenvolve-se pela adaptação do organismo ao consumo constante da droga, logo, é necessário ingerir mais álcool para obter o mesmo efeito de antes.

O estado de abstinência ocorre por que o álcool é uma droga depressora. O organismo acostuma-se a receber a dose diária da droga, quando não recebe, os circuitos excitatórios do sistema nervoso central ficam hiperativados, provocando irritabilidade, tremores e, nos casos mais graves, convulsão e delirium tremens. Esta é uma condição perigosa em que ocorre confusão mental e alucinações, e se não tratada corretamente pode levar a morte. Por este motivo não é aconselhável tentar parar o consumo abruptamente e sem ajuda profissional.

O National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism (NIAAA) recomenda o consumo semanal de menos de 14 doses para homens e 7 doses para mulheres, sendo que o consumo em um dia não pode ultrapassar 4 doses para homens e 3 doses para mulheres. Uma dose equivale a 355 ml de cerveja, 150ml de vinho ou 45ml de destilado. O consumo acima desse limite aumenta consideravelmente o risco de alcoolismo. Outros fatores de risco são início do uso e abuso na adolescência e tolerância elevada a grandes doses.

Benefícios

O consumo moderado de álcool pode reduzir o risco de doenças cardíacas ou vasculares, diminui o risco de ataques cardíacos, derrames e cálculos nos rins.

A produção, venda e consumo do álcool são reguladas na maior parte do mundo. Normalmente, a produção e distribuição são altamente regulamentadas, sendo o consumo permitido apenas para indivíduos com maioridade penal.

No Brasil, o álcool é permitido apenas para maiores de 18 anos, mas a fiscalização é ineficiente, fazendo com que o uso se inicie em grande parte na adolescência.