MDMA ou “ecstasy” é uma anfetamina psicodélica que ganhou popularidade nos últimos 20 anos pela sua capacidade de produzir fortes sensações de felicidade, conforto, empatia e conexão com outros indivíduos. A forma mais frequente é em comprimidos, mas também é encontrado em cápsulas ou cristal. O uso de MDMA é intimamente relacionado com a cena da música eletrônica ao redor do mundo, mas tem sido usada por terapeutas em adjunto à psicoterapia.

Pelo fato do MDMA ser tão popular e por combinar tão bem com festas dançantes, a demanda normalmente excede a oferta – especialmente dentro de um lugar específico numa determinada ocasião. Isso cria a oportunidade para indivíduos venderem qualquer coisa como “ecstasy”. Comprimidos vendidos como ecstasy são notoriamente não-confiáveis, comumente contendo cafeína, efedrina, anfetaminas, metilona, 2C-B, MDA, MDE, DXM, DOB sem necessariamente conter MDMA ou outro psicoativo. Esse problema levou ao desenvolvimento de kits para testar a presença de MDMA em amostras, o que ajuda o usuário a saber o que ela realmente possui.

Quando os efeitos do MDMA começam a manifestar, usuários subitamente começam a sentir que está tudo certo com o mundo. Os efeitos primários incluem abertura emocional, euforia, estimulação, redução de pensamento cínicos e críticos e diminuição das inibições.

O MDMA também é usado de forma terapêutica para tentar resolver conflitos interpessoais.

Algumas pessoas são mais sensíveis que outras ao MDMA. Aqueles que decidem usá-lo pela primeira vez devem ser cautelosos com a pureza e intensidade da amostra. Algumas pesquisas indicam que os efeitos do MDMA podem aumentar de forma não-linear de acordo com a dose. Por exemplo, aumentar a dose em 20% resulta em mais de 20% no aumento da intensidade dos efeitos¹².

Positivos

  • médio a extremo aumento no humor; euforia
  • aumento na vontade de se comunicar
  • estimulação física e mental
  • suavização do ego
  • diminuição do medo, ansiedade e inseguranças
  • sensações de conforto, conexão e proximidades com outros indivíduos
  • sensações de amor e empatia
  • piedade de si e dos outros
  • senso de paz interior e aceitação de si, de outros e do mundo
  • aumento na apreciação musical
  • aumento na capacidade sensorial
  • aumento na sensação tátil; prazer em tocar e ser tocado
  • experências espirituais transformadoras
  • sensações brilhantes e intensas
  • vontade de abraçar e beijar pessoas
  • analgesia, insensibilidade a estímulos agressivos, diminuição na percepção da dor

Neutros

  • diminuição do apetite
  • distorções visuais
  • tremor rápido e involuntário dos olhos (nistagmo)
  • alucinações visuais (incomuns e mais frequentes em doses altas)
  • aumento no ritmo cardíaco e na pressão sanguínea
  • inquietação, nervosismo, tremores
  • mudança na regulação da temperatura corporal
  • ascenções emocionais inesperadas; instabilidade emocional
  • vontade de tomar mais quando perto do fim da experiência

Negativos

  • ligações emocionais inapropriadas ou indesejadas
  • ansiedade ou paranoia (incomum)
  • agitação (incomum)
  • tendência a dizer coisas as quais o usuário pode se sentir desconfortável depois
  • média a extrema tensão na mandíbula, ferimentos nas bochechas e ranger dos dentes (bruxismo)
  • dificuldade em se concentrar em atividades que requerem foco linear
  • embaralhamento ou perda da memória de curto prazo; confusão
  • períodos curtos de desmaio ou desconexão do mundo externo; geralmente em doses altas ou em breves explosões de emoções na ascenção da experiência
  • tensão muscular
  • insônia
  • disfução erétil e dificuldade em alcançar o orgasmo
  • aumento na temperatura corporal, hipertermia, desidratação (importante beber água)
  • hiponatremia (não beba água demais)
  • náusea, vômitos
  • dores de cabeça, tonturas, perdas de equilíbrio, vertigem
  • tristeza no fim da experiência, sensação de perda ou nostalgia imediata
  • crash pós-experiência; enfraquecimento da experiência após o pico pode ser desagradável
  • ressaca no dia seguinte, durando dias ou até semanas
  • depressão moderada e fadiga até uma semana depois
  • depressão e/ou fadiga severas (incomum)
  • possível vontade intensa de repetir a experiência, apesar de não causar dependência física
  • possível crise psicológica que pode levar à hospitalização (episódios psicóticos, ataques de pânico) (raro)
  • possível toxicidade hepática (raro)
  • possível neurotoxicidade (controverso)
  • pequeno risco de morte; aproximadamente 2 a cada 100.000 novos usuários têm reações extremamente negativas resultando em morte

Duração

Oral
Duração total 3 – 5h
Início 20 – 90min
Primeiras sensações 5 – 20min
Pico 2 – 3h
Diminuição 1 – 2h
Efeitos posteriores 2 – 24h
Ressaca 2 – 72h+
Oral
Mínima 30mg
Leve 40 – 75mg
Comum (pessoas sensíveis ou pequenas) 60 – 90mg
Comum (maioria das pessoas) 75 – 125mg
Comum (pessoas pouco sensíveis ou grandes) 110 – 150mg
Alta 150 – 200mg
Muito alta 200mg+

Um dos principais problemas do MDMA é a baixa qualidade do ecstasy encontrado nas ruas. O ecstasy do mercado negro, principalmente na forma de comprimidos, é frequentemente misturado com uma larga gama de adulterantes que podem causar uma grande variedade de efeitos negativos, tanto desagradáveis como perigosos. É também muito comum amostras de ecstasy não conterem MDMA algum.

MDMA é uma neurotoxina, mas o quanto seu uso é prejudicial é muito controverso e complexo³.

Após uso frequente ou intenso, alguns usuários relatam ataques de tontura ou vertigem que geralmente cessam após descontinuação do uso.

Há casos de usuários que sofreram de desidratação, hipertermia, hiponatremia, exaustação, blackouts e em alguns casos, morte. Normalmente isso acontece porque o ambiente em que o MDMA é mais usado é em clubs e raves, e é comum usuários dançarem por várias horas sem perceber, causando elevação da temperatura corporal. A recomendação é que se dê pequenos intervalos para descansar e que se beba água com frequência durante a experiência, mas com cuidado para não beber água demais. Meio litro de água por hora costuma ser o suficiente.

Outra possível dificuldade decorrente do uso de MDMA é a libertação de emoções as quais os usuários estejam despreparados de lidar. Isso pode incluir relembrar episódios passados de abuso, memórias dolorosas, crises emocionais e sentimentos até então desconhecidos. Nessas situações, é recomendado manter a calma e evitar confrontar tais sentimentos; encontrar um amigo e um espaço confortável e seguro para lidar com os sentimentos.

Muitos usuários reportam que o prazer do MDMA parece diminuir ao longo do uso. Alguns relatam que o MDMA “perde sua mágica” mesmo depois de 10 experiências, enquanto outros dizem ter tido centenas de experiências antes da mágica diminuir ou desaparecer. Muitos param de tomar pelo fato dos efeitos negativos se tornarem mais evidentes ou frequentes ao longo do tempo, assim como uma diminuição da qualidade da experiência e aumento na depressão pós-experiência.

A maioria dos usuários relatam que usar mais de uma vez por mês ou mesmo o aumento do uso ao longo da vida torna necessário o aumento da dosagem para atingir os mesmos efeitos de antes. Aumento na dosagem é associado com aumento nos efeitos negativos, ressaca e depressão após o uso.

A recomendação geral é usar no máximo uma vez a cada 3 meses para evitar possíveis efeitos colaterais negativos e “perda da mágica”.

Contraindicações

  • não tome MDMA se você está tomando algum medicamento que contêm IMAO. IMAOs costumam ser encontrados em anti-depressivos. Ayahuasca também contêm IMAOs. A combinação de MDMA e IMAOs é bastante perigosa. Verifique com seu médico se algum dos medicamentos que você está tomando contém IMAOs.
  • evite tomar MDMA se você está usando medicamentos antivirais usados no tratamento do HIV/AIDS e hepatite. Essa combinação pode ser fatal.
  • indivíduos com histórico de doenças cardíacas; pressão alta; aneurisma ou derrame; glaucoma; doenças renais ou hepáticas ou hipoglicemia podem correr riscos relacionados à essas doenças
  • evite estimulantes em combinação com MDMA
  • a combinação de MDMA com álcool acelera a desidratação do corpo

Potencial aditivo

MDMA tem o potencial de causar dependência psicológica. Indivíduos que o usam regularmente encontram um aumento no desejo de continuar usando. Existe um curto período de tolerância após o uso. Usar MDMA em dois dias seguidos provavelmente levará a uma experiência mais fraca no segundo dia. Em um intervalo de 7 dias ou mais, esse efeito é diminuído.

Problemas de saúde a longo prazo

Existe um debate sobre a possível neurotoxicidade do MDMA. A maioria dos especialistas concordam que o MDMA é neurotóxico, mas não há acordo sobre quais as consequências essa neurotoxicidade causa. Álcool também é uma neurotoxina, por exemplo, assim como váriós outros medicamentos. Há algumas evidências que mudanças no cérebro de quem usa MDMA intensa e frequentemente mostraram reduções na memória e aumento na depressão e ansiedade, mas novamente, esses estudos são controversos e a questão continua a ser debatida na comunidade científica.

Tratamento de estresse pós-traumático

Algumas pesquisas têm revelado que o MDMA pode ser usado de forma efetiva no tratamento de estresse pós-traumático, desde que usado em conjunto com sessões de terapia⁴.

MDMA é uma substância controlada. Sua produção, distribuição e possessão são ilegais no Brasil e na maior parte do mundo.